Feeds:
Posts

Você já conhece o TED?

A maioria dos meus artigos é inspirada pelas minhas amigas e esse é mais um deles. A musa surge quando percebo uma dúvida ou falta de conhecimento de alguma coisa na esfera tecnológica que pode ser também a de outras pessoas.

Essa história começa no banheiro do shopping, depois do cinema. Quem consegue assistir duas horas de filme e meio litro de coca-cola sem correr para o banheiro assim que os créditos sobem?
Estávamos lavando as mãos quando mencionei que tinha assistido um video no TED sobre uma forma mais econômica de enxugar as mãos com toalhas de papel.

TED? O que é TED?
Videos desse tipo normalmente são encontrados no YouTube ou no Facebook. Mas TED? Que site é esse?

Realmente, um video sobre a forma mais econômica de enxugar as mãos não é o conteúdo padrão do TED mas como é o caminho natural, o TED nasceu, cresceu, teve filhos e hoje conta com um conteúdo bem mais eclético do que no início.

Mas afinal, o que é TED?

Da Wikipedia:

“TED (acrônimo de Technology, Entertainment, Design; em português: Tecnologia, Entretenimento, Design) é uma série de conferências realizadas na Europa, na Ásia e nas Américas pela fundação Sapling, dos Estados Unidos, sem fins lucrativos, destinadas à disseminação de ideias – segundo as palavras da própria organização, “ideias que merecem ser disseminadas”.Suas apresentações são limitadas a dezesseis minutos, e os vídeos são amplamente divulgados na Internet.

O grupo foi fundado em 1984, e a primeira conferência aconteceu em 1990. Originalmente influenciada pelo Vale do Silício, sua ênfase era tecnologia e design, mas com o aumento da popularidade os temas abordados passaram a ser mais amplos, abrangendo quase todos os aspectos de ciência e cultura. Entre os palestrantes das conferências estão Bill Clinton, Al Gore, Gordon Brown, Richard Dawkins, Bill Gates, os fundadores da Google, Billy Graham e diversos ganhadores do Prêmio Nobel.”

Esse foi o começo. Até 2009 a conferência era realizada em Monterey, California, EUA. Depois passou para Long Beach, California, EUA devido ao aumento do número de participantes e desde 2014 acontece em Vancouver, Canada.

TED Global 2014
Em 2005, o TED ganhou uma irmã, TED Global, que é realizada a cada vez em um país diferente. A de 2014 aconteceu aqui no Rio de Janeiro. Se, por acaso, você passou pela Av. Atlântica e e notou uma tenda enorme na praia coberta de guarda-chuvas brancos e vermelhos, era o TED acontecendo.

O TED também gerou muitos filhos. São os TEDx.
São eventos independentes que seguem o modelo de palestras do TED e podem ser organizados por qualquer pessoa que obtenha uma licença do TED e concorde com certos princípios. Os eventos não tem fins lucrativos mas podem cobrar ingresso e obter patrocínio para cobrir os custos. Da mesma forma que o TED, os palestrantes não são pagos e devem ceder os direitos sobre as palestras para o TED que pode editá-las e distribuí-las.

Já foram organizados diversos TEDx aqui no Brasil, em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza e Paraíba, cada um deles com um tema específico. A quantidade de TEDx que vem sendo organizada pelo mundo é enorme.

A conferência original é caríssima, mesmo para bolsos não-brasileiros. Para participar é necessário um convite e um pagamento de anuidade de US$ 6.000. Mas se o objetivo primordial do TED é disseminar idéias, nada melhor que a internet para isso e quase todas as palestras estão disponíveis gratuitamente para assistirmos quantas vezes quisermos.

Outro ponto fundamental para a disseminação é a tradução. No TED as palestras são em inglês; nos outros eventos varia, podem ser em inglês ou no idioma nativo. Para que o conteúdo das palestras possa ser assistido por qualquer pessoa existe uma equipe de tradução composta de voluntários do mundo inteiro da qual eu também faço parte que traduz as legendas dos videos.

Se no início o foco do TED eram as três letrinhas, Tecnologia, Entretenimento e Design, o foco hoje é o seu slogan “ideas worth spreading” (ideias que merecem ser disseminadas). É possível encontrar palestras sobre assuntos sérios, divertidos, controversos, inusitados. Muitos autores de sucesso já deram alguma palestra no TED.
Eu já descobri muitos livros interessantes através do TED e no caminho inverso, curti palestras de autores de livros que já tinha lido.

É provável que você já tenha assistido alguma dessas palestras porque alguém compartilhou no Facebook, por exemplo, mas não sabia que pertencia ao TED como foi o caso das minhas amigas lá do início da história.
Algumas das palestras também são compartilhadas através do YouTube.

Aqui vão alguns exemplos.

Um dos meus interesses favoritos dos últimos tempos é a Economia Comportamental que descobri lendo os livros do Dan Ariely que já palestrou em diversos TED. Não precisa entender de economia ou comportamento para aproveitar as palestras.

Essa aqui, por exemplo, é sobre o “nosso código moral defeituoso”, ou as razões pelas quais achamos que é certo mentir ou roubar (as vezes).

 
 
Esta outra é do Rory Sutherland, um guru da propaganda, cujo tema é “Perspectiva é tudo”, bastante divertida, ainda mais se você aprecia humor com tempero britânico.

 
 
Esta é uma das minhas preferidas, do Sir Ken Robinson – “As escolas matam a criatividade?”. É de 2006 mas continua atual.

 
 
Se você leu, Comer, Rezar, Amar pode achar interessante esta palestra da autora Elizabeth Gilbert sobre sucesso, fracasso e inspiração.

 
 
ou essa, sobre genialidade.

 
 
Quem leu “O Poder dos Quietos” da Susan Cain vai gostar dessa.

 
 
Esta é de Maysoon Zayid, uma atriz e comediante árabe-americana que sofre de paralisia cerebral. Está na lista das palestras mais divertidas do TED.

 
 
Aquele video que mencionei sobre enxugar as mãos de maneira mais econômica é esse aqui.

 
 
E para terminar, essa é uma lista das palestras mais populares de todos tempos.

https://www.ted.com/playlists/171/the_most_popular_talks_of_all

E tem milhares de outras palestras. E com legendas em português.

Se você ainda não conhecia o TED e ficou interessado, dê um pulo lá no site e explore um pouco.
Da próxima vez que você tiver um tempo livre, em vez de ficar de bobeira no Facebook vendo o que seus amigos compartilharam (ou reclamando que não tem nada de interessante), assista uma palestra e compartilhe com eles.
Você também pode se cadastrar e receber sugestões por email. Eles não vão atolar a sua caixa-postal, prometo.

E não esqueça de compartilhar este artigo com seus amigos. As suas conversas vão ficar bem mais interessantes!

Depois do episódio do bloqueio do Whatsapp deu pra perceber que metade do Brasil utiliza o aplicativo. Mas nem todo mundo conhece todos os recursos do Whatsapp. Como sei disso? Porque todas as minhas amigas usam o Whatsapp e volta e meia alguma delas me aparece com uma dúvida.

E vou contar um segredo pra vocês. Eu achava que sabia tudo mas quando comecei a fuçar o aplicativo para escrever este artigo descobri alguns recursos que ainda não conhecia.

Será que você já conhece todos?

1. Mandei uma mensagem para pessoa ou grupo errado. Tem como apagar?

Infelizmente, ainda não. Do momento que a mensagem saiu do seu celular você não tem mais controle sobre ela. Por isso, preste atenção antes de enviar, principalmente se for uma mensagem falando mal de alguém ou uma foto imprópria ou comprometedora.
Se ainda não aconteceu com você, com certeza já deve ter acontecido com alguém que você conhece. Constrangedor, não é mesmo?

2. Sou administrador de um grupo. O que acontece se eu apagar o grupo no meu celular?

Se você apagar as mensagens de um grupo no seu celular elas continuarão existindo nos celulares dos outros membros do grupo. O administrador só tem poderes especiais para convidar ou remover participantes. Não tem controle sobre as mensagens enviadas.

3. Sou administrador de um grupo. O que acontece se eu sair do grupo?

O grupo continuará existindo mas você não receberá mais mensagens do grupo. Você pode apontar outro membro como administrador do grupo antes de sair. Se não fizer isso, o Whatsapp faz isso por você.

4. Posso sair de um grupo sem que as pessoas percebam?

As vezes você quer sair de um grupo chato mas não quer que as outras pessoas percebam.
Por enquanto não tem jeito. Se você sair do grupo vai aparecer uma mensagem para os outros membros avisando que você saiu. Mas você pode silenciar o grupo pra sempre e não ser mais incomodado com as notificações.

5. Posso enviar uma mensagem de Whatsapp para alguém que não está na minha lista de contatos?

No iPhone não é possível. Você primeiro precisa cadastrar o contato para depois enviar a mensagem. Em outros celulares como o Samsung você pode digitar o número, clicar no botão para enviar uma mensagem e escolher por qual aplicativo quer enviar; nesse caso, o Whatsapp.
Mas, uma vez que você recebeu uma mensagem de um número não cadastrado pode respondê-la sem precisar cadastrar esse número como contato.

6.Tem como impedir que me adicionem?

Infelizmente, ainda não existe esta opção a não ser que você tenha bloqueado o número previamente. Se uma pessoa tem o seu número de telefone ela pode te enviar mensagens e até mesmo te adicionar em grupos.

7. Como faço para bloquear um número no Whatsapp?

É possível receber mensagens pelo Whatsapp de números que não estão na nossa lista de contatos. As vezes são mensagens chatas, inconvenientes e você não que mais recebê-las. Basta clicar lá em cima para ver os dados do número e escolher a opção de bloqueio.

8. Posso mandar a mesma mensagem para mais de uma pessoa sem criar um grupo?

Grupos servem para bate-papo, troca de informações e as vezes se tornam até inconvenientes com a quantidade de mensagens que geram. Se você precisa enviar mensagens para várias pessoas mas não quer criar um grupo use uma lista de transmissão. Basta adicionar os contatos que você quer e enviar a mensagem.
As listas ficam gravadas e você reutilizá-las quando precisar. Se você não precisar mais delas, pode apagá-las da mesma forma que apaga um grupo.

Para evitar spam, o Whatsapp informa que você só pode adicionar contatos na sua lista de transmissão que já tenham o seu número cadastrado como contato.

Esse recurso é ótimo para mandar uma mensagem de fim de ano por exemplo. Ao invés de copiar e colar a mesma mensagem para todos os seus amigos, crie uma lista!

9. Você sabia que pode encaminhar uma foto, video ou mensagem de texto para outros contatos, grupos e listas de transmissão?

Pois é. Suponha que você recebeu um vídeo engraçado ou uma mensagem linda e quer enviar para outros amigos ou grupos. Não precisa fazer de um em um. Use a opção Encaminhar e mande para quem você quiser de uma só vez.

10. Quer aumentar sua privacidade?

Clique em Ajustes >> Conta >> Privacidade.

Nesta tela você pode restringir a visualização de quando você está ou esteve online (aquela opção de “visto por último”), da sua foto de perfil e do seu status (quem usa isso)?
Clique em cada um dos itens e selecione se Todos podem vem, apenas os seus contatos ou ninguém.
Mas note que se você optar por ninguém na opção “Visto por último”, também não poderá ver esta informação nos seus contatos.

Aproveitando que você está na tela de Privacidade, veja que você pode consultar e adicionar números bloqueados.

Por último, você pode desligar a confirmação de leitura das mensagens. Mas se desligar a sua também não verá a dos outros. Você decide!

11. Você sabia que pode verificar quanto cada grupo e contato está ocupando espaço no celular?

Espaço no celular é uma coisa preciosa. A gente vai usando, recebendo mensagens, fotos, videos e quando mais precisa aparece aquela mensagem de que não tem mais espaço. Ou o celular vai ficando lento, lento e a gente põe a culpa na operadora.
Clique em Ajustes >> Conta >> Uso de Armazenamento para ver a lista dos seus maiores comedores de espaço. Você verá quantas mensagens, fotos, etc enviou e recebeu. Clique sobre um grupo ou contato e você verá quanto espaço está sendo ocupado por fotos, videos, audios, etc.

No iPhone, você pode tem uma aba ordenada por quantidade de mensagens e outra por espaço ocupado. No Android deve existir uma tela similar.

Aproveite o início do ano para fazer uma limpeza e começar o ano com um celular mais leve!

whatsapp bloqueado

A confusão começou no final da tarde de ontem.
Pelo menos, foi a essa hora que eu tomei conhecimento.
A notícia de que o Whatsapp ia ser bloqueado por 48 horas a partir da meia-noite se espalhou que nem fogo no mato seco.
Se alguém ainda estava trabalhando, provavelmente não conseguiu mais continuar.

A todo momento pipocavam informações e desinformações. Ninguém sabia ao certo se era verdade ou boato e as redes sociais so falavam disso.
Até que “deu no Jornal Nacional”. Então deve ser verdade mesmo.

Em dado momento, aparece a notícia que um desembargador cassou a liminar e que o Whatsapp não ia mais ser bloqueado. Para a felicidade geral da nação.
Mas a alegria durou pouco, a notícia era de fevereiro, quando as operadoras de telefonia tinham ameaçado bloquear o Whatsapp porque ele estaria prejudicando o faturamento delas com torpedos e ligações.

Como passar 48 horas sem Whatsapp?

Os sites especializados mais do que rapidamente publicaram alternativas ao Whatsapp: Viber, Telegram, Skype, Facebook Messenger, Kakao Talk, Line, Google Hangout, etc.
E as pessoas correram a instalar novos aplicativos nos seus smartphones.
Tanto o Viber como o Telegram enviam um código de autenticação por SMS para finalizar a instalação. Os servidores deles ficaram tão congestionados que não conseguiam dar conta do fluxo de solicitações.

Eu já tinha o Viber e até recriei alguns dos meus grupos do Whatsapp por lá.
Resolvi instalar o Telegram também. Óbvio que não consegui receber o código por SMS. Como alternativa, eles pedem para enviar um email. Enviei. Logo em seguida recebi retorno informando que a minha a mensagem não pode ser entregue porque o servidor estava recebendo mensagens demais e não tinha como processá-las.

Imaginei os milhões de brasileiros que iam ficar órfãos temporários do Whatsapp fazendo a mesma coisa que eu.

A meia-noite em ponto o Whatsapp parou de funcionar.
Já estava me preparando para dormir quando uma amiga me manda uma mensagem (pelo Facebook) perguntando se um aplicativo de VPN iria desbloquear o Whatsapp. Fui ler sobre o que ela estava falando.

O pessoal que trabalha nos sites especializados não deve ter dormido. Agora o assunto da vez eram os aplicativos de VPN. Vários tutoriais explicavam como instalar.
No Facebook os amigos reportavam que tinham instalado esse ou aquele aplicativo e que o Whatsapp estava funcionando novamente. Maravilha!

Todos eles eram leigos que provavelmente não sabiam e talvez ainda não saibam o que é uma VPN e que existem vários riscos de segurança. Mas o importante era furar o bloqueio do Whatsapp!
Respondi à minha amiga que provavelmente funcionaria mas para ela deixar isso para o dia seguinte. E fui dormir.

Quando acordei, o caos continuava. Alguns aplicativos de VPN funcionavam, outros mais ou menos. Nesse momento já tinham começado a surgir artigos explicando sobre os riscos de segurança.
E durante todo esse tempo só se falava em um único assunto. Se falava pelo Facebook, Viber, Telegram, Twitter… O Whatsapp não estava totalmente bloqueado. Estava funcionando para alguns. E as pessoas ficavam olhando para a telinha esperando prá ver se ele conectava. E ninguém conseguia trabalhar.

Até o impeachment ficou em segundo plano a não ser pelos memes que surgiram. Só se falou no bloqueio do Whatsapp.
Falava-se até em ir para a rua protestar!

Até que, no início da tarde de hoje, derrubaram a liminar e o Whatsapp foi desbloqueado. E o país pode voltar a funcionar.

Muito se escreveu sobre a constitucionalidade ou não do bloqueio, se o motivo era válido, se isso é uma atitude ditatorial e para onde o governo está levando o país.

O que me impressionou nesse episódio do bloqueio é como ficamos dependentes de um único aplicativo. Existem outros, como mencionei lá em cima. Mas uma rede social, como é o caso dos aplicativos de mensagens, só faz sucesso se as pessoas utilizam. De que adianta eu instalar o Kakao Talk, por exemplo, se nenhum dos meus amigos utiliza? Vou me comunicar com quem?

Foi o caso do ICQ em um passado não tão longínquo, que depois que foi vendido para a AOL perdeu seu público para o MSN Messenger aqui no Brasil, que perdeu para o Whatsapp.
Talvez tenha existido algum outro no meio do caminho mas já esqueci.

E porque o bloqueio causou tanta comoção? Porque ele é, hoje em dia, uma ferramenta de comunicação tão ou mais importante que o email. É verdade que muitas pessoas só usam para bater papo e mandar fotos e vídeos, mas muita gente utiliza no trabalho, para falar com clientes e fornecedores. É claro que existem os outros, existem opções, mas é difícil mudar de uma hora para outra. E mais difícil ainda utilizar mais de um meio de comunicação. Se um só já perturba o dia inteiro, imagina dois ou mais?

Sem o Whatsapp o país para.
O brasileiro é um povo esperto e sempre dá um jeitinho. O governo decidiu bloquear o Whatsapp e o pessoal rapidamente descobriu a VPN para burlar o bloqueio.
Se somos assim tão espertos, porque continuamos com o governo que temos?

No final do século passado a grande ameaça a uma boa postura era o computador. Nosso corpo não foi concebido para passar tantas horas sentado em frente a uma tela com as mãos no teclado ou no mouse.
Uma nova palavra foi incorporada ao nosso vocabulário do dia-a-dia junto com tantas outras relacionadas à informática: Ergonomia.

“Ergonomia designa o conjunto de disciplinas que estuda a organização do trabalho no qual existem interações entre seres humanos e máquinas.”

Muitos estudos foram realizados e cadeiras apropriadas e outros acessórios foram criados para minimizar os efeitos do computador sobre os nossos corpos.

Agora a ameaça é outra: o celular, ou mais especificamente, o smartphone. Basta olhar em volta e você verá várias pessoas com o pescoço curvado e os braços encolhidos segurando um smartphone, teclando no Whatsapp, assistindo um video, jogando um joguinho ou simplesmente navegando pelas redes sociais. Não é uma posição natural, certo? A não ser que você seja um tiranossauro.

Pois bem, as consequências de manter essa posição por muito tempo já tem nome: Pescoço de Texto. Ou Text Neck, em inglês. O nome é meio esquisito, não soa muito bem aos ouvidos, mas representa bem essa nova condição causada pela evolução tecnológica.

Você sabia que quanto mais inclinamos a cabeça mais ela pesa? Pois é.

According to some doctors, the amount of time people are spending on their smartphones could do damage to their spine later in life. Illustrates TEXTING-SPINE (category a), by Lindsey Bever © 2014, The Washington Post. Moved Thursday, Nov. 20, 2014. (MUST CREDIT: Dr. Ken Hansraj)

According to some doctors, the amount of time people are spending on their smartphones could do damage to their spine later in life. Illustrates TEXTING-SPINE (category a), by Lindsey Bever © 2014, The Washington Post. Moved Thursday, Nov. 20, 2014. (MUST CREDIT: Dr. Ken Hansraj)

A postura “normal” de uma pessoa usando o celular é manter a cabeça inclinada de 45 a 60 graus. Isso se traduz em um peso adicional de mais de 20 kilos sobre o pescoço e os ombros . Não é nenhuma surpresa que ao final do dia estejamos “moídos” sem ter feito um único exercício – dores nas costas, pescoço, cabeça, braços. Tudo por causa de um aparelhinho que pesa cada vez menos nas nossas mãos.

Como você pode imaginar, essa condição afeta muito mais os adolescentes que não largam o celular nem para comer. Sintomas como tensão nos ombros, dores no pescoço, enxaquecas e dormência ou formigamento nos braços podem ser decorrentes do uso excessivo do celular e podem gerar problemas muito mais sérios quando eles se tornarem adultos.

É importante, principalmente para os pais de adolescentes, ter consciência dessa condição. Dificilmente conseguiremos separar os adolescentes de seus celulares mas quanto antes os sintomas foram observados é recomendado buscar tratamento e exercícios especializados que podem minimizar os efeitos do pescoço de texto.

Há algum tempo o Jornal Nacional mostrou uma reportagem sobre o pescoço de texto. Se você não viu ainda, clique aqui.

Escrevi este artigo para o site de uma amiga fisioterapeuta – link para o artigo original.

Você sabia que o modo avião do celular tem várias utilidades e você não precisa estar efetivamente dentro de um avião para aproveitá-las?

O modo avião desliga todas as formas de conectividade do celular como rede de telefonia, dados, GPS, bluetooth, wifi mas permite que você tenha acesso a todo conteúdo do celular como fotos, músicas, mensagens, documentos, etc. Se necessário, você pode ligar manualmente o wifi e/ou o bluetooth.

Agora veja quantas vantagens você pode ter.

1. Economizar bateria

Sabe aquela hora quando você vê que a bateria não vai aguentar até você chegar em casa para recarregar o celular? Se você ligar o modo avião irá reduzir drasticamente a utilização da bateria e ainda poderá acessar todo o conteúdo do celular, como fotos, mensagens, calendário, lembretes ou somente para ver a hora.

Se você estiver conectado a uma rede wifi poderá fazer tudo menos fazer e receber chamadas de voz e enviar e receber mensagens de texto. Isso consumirá mais bateria, é claro, mas é uma opção se você não pode ficar totalmente desconectado.

Se você estiver em um local sem nenhum sinal da sua operadora vale a pena colocar o celular em modo avião. O celular consome muito mais bateria procurando pela rede. Se você sabe que não tem uma rede disponível, como subindo a serra ou dentro do metro, por exemplo, prá que desperdiçar bateria, não é mesmo?

2. Diminuir o tempo de carga

Você está no trabalho, contando os minutos para ir prá casa e percebe que seu celular está quase sem bateria e não vai dar prá chegar em casa. Como passar uma hora no trânsito sem nada prá fazer?
Se você colocar o celular para carregar em modo avião ele vai carregar muito mais rápido. Neste caso, se você puder desligar o wifi e ficar um tempinho desconectado vai ajudar bastante.

3. Evitar uma cobrança astronômica na volta de uma viagem ao estrangeiro

Você finalmente conseguiu tirar uns dias de férias e fazer aquela viagem para Disney com um pacote em promoção! A viagem foi ótima, deu tudo certo e até as suas malas chegaram direitinho. Foi tudo perfeito! Até que… uma semana depois você recebe uma fatura ridiculamente alta da sua operadora de celular.
Com certeza é algum erro deles (mais um!) porque você tem certeza de que não fez nenhuma ligação na viagem. E nem recebeu. Você respira fundo, conta até 10 e liga pra operadora já preparado pra briga. A explicação: roaming internacional. É verdade que você não fez nem recebeu ligações mas utilizou o 3G e isso conta. E muito!

Quando viajo para o estrangeiro prefiro comprar um chip pré-pago local e não depender de wifi. Como vivo me perdendo, prefiro ter o Google Maps sempre que preciso. E como preciso!

Mas se você não quiser comprar um chip local, coloque o celular em modo avião assim que levantar voo e só desligue quando voltar para o Brasil. Você ainda poderá usar o wifi sempre que precisar e não correrá o risco de pagar uma conta astronômica na volta.

4. Evitar publicidade enquanto está jogando

Existe coisa mais irritante do que estar tranquilamente jogando um joguinho gratuito no celular e ver sua tela invadida por propaganda?

Se o seu jogo não depende de conexão, ligue o modo avião e jogue tranquilo.
 
 
 
 

5. Evitar interrupções enquanto está filmando

Já te aconteceu de estar filmando um jogo, um show ou alguma coisa interessante e pipocar uma mensagem de whatsapp na tela interrompendo a sua gravação? Pois é.

Ligue o modo avião antes de começar a filmar e você não será mais interrompido.
 
 

6. Forçar o celular a procurar a rede

De vez em quando o meu celular fica totalmente sem sinal e eu tenho certeza de que não é uma indisponibilidade da operadora. Já aconteceu com amigas minhas também.
Um jeito fácil de resolver isso e colocar em modo avião e tirar logo em seguida. Isso força o celular a procurar a rede.

7. Cuidado com as crianças


Se você costuma deixar o celular na mão de alguma criança para que ela se distraia por um tempo, ligue o modo avião antes. Isso evitará que ela telefone acidentalmente para alguém. E também evita que o jogo seja interrompido.

8. Evitar distrações

Tem momentos que você precisar se concentrar ou vai entrar em uma reunião super importante e não quer nenhuma distração, nenhuma mesmo. Nem mesmo o telefone vibrando no bolso.
É claro que você sempre pode desligar o celular.
Mas uma forma mais rápida tanto para desconectá-lo quando para conectá-lo a rede novamente é colocá-lo em modo avião.

Se você gostou destas dicas, compartilhe com os amigos!

Este artigo não tem relação com tecnologia que é o tema do blog mas como escrevi esse outro artigo sobre aplicativos para melhorar as funções cognitivas achei esse aqui interessante e resolvi traduzir para vocês.

O link para o artigo original está lá no final.


WASHINGTON (AP) — By LAURAN NEERGAARD
A pesquisa mais recente sobre o Alzheimer tem um tema claro: Mude o seu estilo de vida para proteger o seu cérebro.

Ainda vai demorar vários anos para que os cientistas consigam provar se algumas drogas experimentais conseguem ao menos diminuir o progresso do Alzheimer, e a população que está envelhecendo corre risco agora.

O que quer que aconteça na área da pesquisa farmacêutica, existem medidas diárias que as pessoas podem adotar – desde melhorar a qualidade do sono a lidar melhor com o stress e ler mais – que a pesquisa sugere que pode diminuir o risco de Alzheimer.

Adotar essas mudanças no estilo de vida “parece mais promissor do que os estudos sobre drogas até agora” disse o Dr. Richard Lipton do Albert Einstein College of Medicine em Nova York; seu laboratório realiza pesquisas sobre envelhecimento saudável. As descobertas sobre o stress fizeram com que o Dr. Lipton começasse a praticar yoga.

Aqui vão cinco dicas para proteger o seu cérebro contra perda de memória, com base em pesquisas da Alzheimer’s Association International Conference:

MELHORE A QUALIDADE DO SEU SONO

Estudos com mais de 6.000 pessoas relacionaram baixa qualidade do sono – e em especial  a apneia do sono – com problemas de memória denominados comprometimento cognitivo leve o que pode levar mais tarde ao Alzheimer. Outra pesquisa demonstrou que o sono de baixa qualidade pode induzir a produção de placas de amiloide que são características do Alzheimer.

Converse com seu médico se você está tendo problemas para dormir, aconselha a Dra. Kristine Yaffe da University of California, San Francisco: “Transtornos do sono são comuns, e pensamos que muitos são facilmente tratáveis”.

EXERCITE A SUA MASSA CINZENTA

Idosos são frequentemente aconselhados a fazer palavras cruzadas, ter aulas de música ou aprender um novo idioma para manter o cérebro ativo. Os efeitos protetores do aprendizado podem começar várias décadas mais cedo.

Na Suécia, pesquisadores do Karolinska Institute coletaram boletins escolares e históricos de trabalho de mais de 7.000 adultos. Boas notas aos 10 anos de idade demonstraram um menor risco de demência em idade mais avançada. O mesmo foi percebido em profissões que requerem proficiência com números ou, no caso das mulheres, interações complexas com pessoas – ocupações como pesquisa ou ensino.

Porque? O aprendizado e o pensamento complexo reforçam as conexões entre os neurônios, construindo uma “reserva cognitiva” para que quando o Alzheimer ataque o cérebro possa suportar mais antes que os sintomas se tornem aparentes.

MEXA-SE

O que é bom para o coração também é bom para o cérebro e a atividade física combate uma série de problemas – hipertensão, diabetes, colesterol alto – que podem aumentar o risco de perda de memória em idade avançada.

Comece cedo: Um estudo acompanhou os hábitos de 3.200 jovens adultos por 25 anos e determinou que aqueles menos ativos foram os que tiveram pior cognição na meia-idade.
Hábitos sedentários como assistir TV contribuíram. A Dra. Yaffe – que acabou de mandar elevar a sua mesa para que pudesse passar mais tempo em pé – se preocupa com a quantidade de tempo que as crianças passam em frente a uma tela.

NÃO ESQUEÇA A SAÚDE MENTAL

Depressão na velhice é um fator de risco para o Alzheimer. Pesquisadores de Harvard identificaram que solidão também é um fator que acelera o declínio cognitivo em um estudo que acompanhou mais de 8.000 idosos por uma década.

Estresse também é ruim para o cérebro, disse o Dr. Lipton. Não apenas vivenciar situações de estresse – todos passamos por isso – mas como lidamos com ele. Remoer eventos estressantes, por exemplo, prolonga os efeitos prejudiciais sobre os neurônios. Um estudo determinou que idosos com menos capacidade de lidar com o estresse tinham muito mais chances de desenvolver um comprometimento cognitivo leve do que aqueles que conseguiam superá-lo com mais facilidade.

ALIMENTE-SE DE MANEIRA SAUDÁVEL

Dietas ricas em frutas e vegetais e com pouca gordura e açúcar são boas para as artérias que levam sangue ao cérebro. Diabete tipo 2, relacionada à obesidade, aumenta o risco de demência na velhice.
Independente do peso, o laboratório do Dr. Lipton constatou que uma dieta saudável diminui os riscos para as “funções executivas” – como o cérebro presta atenção, organiza e realiza múltiplas tarefas.

Link para o artigo original – 5 Lifestyle Changes to Protect Your Brain

Espantando o Alzheimer

Você assistiu aquele filme, “Para Sempre Alice”, com a Julianne Moore?

Para quem não assistiu, é sobre uma mulher na faixa de 50 anos que descobre que está sofrendo de Alzheimer precoce. Ela é uma professora universitária de linguística, casada, com três filhos adultos e bem-sucedidos. De repente, percebe que a sua memória está indo embora. No decorrer do filme a gente acompanha essa perda gradativa, desde as pequenas coisas, como esquecer uma palavra no meio da aula, passando por esquecer o caminho de casa até que ela já não lembra mais de si própria. Assustador, não?

Há alguns anos ninguém falava em Alzheimer. Perder a memória era coisa de gente idosa e aceito como natural, assim como envelhecer, perder os dentes, a audição e ter dificuldade para se locomover. Encontrar pessoas muito idosas e ainda lúcidas é raro.

Ainda não descobriram o que causa o Alzheimer e nem toda perda de memória é causada pelo Alzheimer. Mas se a gente já passou de uma certa idade e começa a ter dificuldade para lembrar do que foi comprar no supermercado ou esquece onde colocou as chaves do carro ou o celular, já começa a se preocupar achando que a memória está indo embora.

Esquecimento e distração não estão sempre relacionados à idade avançada. Stress, muitos afazeres, Whatsapp pipocando a todo minuto, quem consegue manter o foco o tempo todo?

Por outro lado, o cérebro precisa de exercício. Se não utilizamos, atrofia, não é mesmo?
Muitas pessoas fazem palavras cruzadas ou Sudoku como forma de exercitar o cérebro.  Depois que assisti o filme resolvi voltar a fazer palavras cruzadas. Procurei e baixei alguns aplicativos no iPad.

Não sou muito fã de Sudoku mas decidi experimentar também e baixei outro aplicativo. Não demorou muito para que começassem a surgir recomendações de aplicativos para melhorar as funções cognitivas no meu navegador.

Muitas vezes essa “perseguição” do Google oferecendo recomendações baseadas nas nossas buscas é irritante e até mesmo invasiva mas nesse caso valeu a pena. Baixei vários aplicativos para experimentar.

O principal argumento desses aplicativos é que “diversas pesquisas demonstram que o treinamento online é uma forma eficiente de construir uma reserva cognitiva e aumentar a capacidade do cérebro”.
Segundo eles, apenas palavras cruzadas ou Sudoku não exercitam todas as áreas do cérebro. Acredito que seja verdade.

Minha maior deficiência é justamente a memória, principalmente a espacial. Sou extremamente distraída e estou sempre perdida em lugares que não conheço muito bem. Quando viajo para o exterior ando sempre com o celular na mão acompanhando o Google Maps e mesmo assim, muitas vezes tomo o caminho errado. Aqui não dá para andar com o celular na mão, então vou me perdendo e me achando.

Sobre os aplicativos que estou experimentando, todos eles tem uma parte gratuita com algumas variações. A rotina diária é determinada pelo aplicativo e composta de 3 ou 4 exercícios para diversas funções, memória, atenção, lógica, velocidade e reação. Alguns deles deixam você repetir os exercícios diários à vontade, outros só algumas vezes até completar o ciclo. Se quiser mais, tem que pagar. Todos eles fazem medições para você acompanhar a sua evolução.

Quase todos os exercícios tem um limite de tempo, ou quantidade de vidas, como nos jogos. Da mesma forma que nos jogos, você começa no nível mais fácil e a dificuldade vai aumentado de acordo com o seu desempenho. É como na academia, só que ao invés de exercitar os músculos você exercita o cérebro.

Conforme você vai avançando, em alguns casos chega a “doer o cérebro” como diz uma amiga minha. Mas se está doendo é porque está funcionando, não é? Não sei. Cada um tem o seu limite. O negócio é exercitar, não ficar com dor de cabeça.

Todos os exercícios se parecem com joguinhos. Alguns são lindos, super bem-feitos! Tem pontuação e níveis porque a prática determina que isso estimula o usuário a continuar “competindo” sempre tentando alcançar um nível mais alto. Em alguns casos, pode ser frustrante mas acho que o essencial nesse caso é continuar com os exercícios, mesmo que não se consiga avançar até o nível mais elevado.

Pela minha experiência nas duas últimas semanas, tem dias que me saio melhor, outros nem tanto. A recomendação é que você faça os exercícios sempre no mesmo horário, de preferência de manhã, depois do desjejum. O alimento do cérebro não é comestível mas ele também não funciona bem se o corpo não estiver alimentado.

Se você ficou curioso e quer experimentar, aí vão os que estou usando. Ainda não me decidi por nenhum deles. Os preços também são bem variados.  A lista não tem nenhuma ordem de preferência. Todos os meus comentários se referem às versões gratuitas.

Fit Brains da Rosetta Stone 

Fit Brains 2

 

Oferece uma rotina diária de quatro jogos e não permite repetir essa rotina mas possui alguns jogos gratuitos para quem quiser complementar. Pena que são sempre os mesmos.
Tem versões para iPad e Android e oferece opção de idioma em Português.
Tem uma versão para o browser também mas acho que só em Inglês.
A visualização da evolução mostra apenas um gráfico simples mostrando a quantidade de pontos em cada uma das categorias e evolução diária dos pontos. A comparação com outros usuários é restrita à versão paga.
http://www.fitbrains.com/

 

Lumosity

Lumosity

Oferece uma rotina diária de três jogos e permite repeti-los quantas vezes você quiser no mesmo dia. Na minha opinião é o que tem os jogos mais bonitos. No meu caso, os de atenção são quase viciantes. Jogo várias vezes até cansar.
Tem versões para iPad e Android e browser.
Não consegui encontrar opção de outro idioma além do Inglês mas se você tem conhecimento suficiente para compreender as instruções, vale a pena experimentar.
A visualização da evolução na versão gratuita é praticamente inexistente, apenas um gráfico simples mostrando a quantidade de pontos em cada uma das categorias.
http://www.lumosity.com/

Atualização: Hoje soube que o Lumosity já está disponível em português.
Para fazer o download do aplicativo Lumosity para iOS em português, vá até: https://itunes.apple.com/us/app/lumosity-mobile/id577232024?mt=8

Para fazer o download do aplicativo Lumosity para Android em português, vá até: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.lumoslabs.lumosity&hl=pt_BR

 

Peak

Peak 2Oferece uma rotina diária de 4 jogos e permite repeti-los quantas vezes quiser no mesmo dia.

O diferencial deste é que ele estabelece um objetivo diário de pontos que você deve atingir no dia e para isso precisa repetir os jogos várias vezes. Esse objetivo vai aumentando à medida que você evolui.
Só tem versões mobile para iPad e Android.
Não consegui encontrar opção de outro idioma além do inglês mas se você tem um conhecimento suficiente para compreender as instruções, vale a pena experimentar.
Possui um bom gráfico para acompanhamento da evolução e promete um detalhamento por jogo e atividade na versão paga.

http://www.peak.net/

 

NeuroNation

 

Neuronation 1

Oferece uma rotina de quatro exercícios diários e permite repeti-los à vontade.
Tem versões para iPad, Android e browser.
No iPad tem opção de idioma em Português. No browser só em Inglês e Alemão. Não sei quais as opções de idioma no Android.
Possui um bom gráfico para acompanhamento da evolução detalhado por categoria.

http://www.neuronation.com/

 

 

 

 

Memorado

Memorado

Oferece uma rotina de três exercícios diários sem repetição. Alguns dos jogos só ultrapassam um determinado nível na versão paga.
Possui três jogos liberados na versão gratuita.
É o mais restrito de todos.
Só tem versão para iPad e browser e em inglês.
Possui um bom gráfico para acompanhamento da evolução.

http://memorado.com/

 

 

 

 

Elevate

 

Elevate 1Esse é um pouco diferente. Seu foco é linguagem e matemática.

Oferece três jogos diários liberados durante o dia inteiro.
Se você tem um inglês fluente é um bom exercício.
Tem versões para iPad e Android.
Os gráficos são bem detalhados.

http://elevateapp.com/

 

 

 

 

 

Em todos eles você precisa se cadastrar, mesmo na versão gratuita. Não acho que isso seja um impedimento mas tem gente que não gosta.

Enquanto você não faz o upgrade para a versão paga vai ficar recebendo ofertas para isso. Nada demais, é assim que funciona o mundo dos aplicativos freemium (parte gratuita e parte paga).

Se você está pensando que o seu dia já é cheio demais e não tem tempo para isso, a maioria dessas rotinas não leva mais do que 10 minutos.

Depois de duas semanas de “treinamento” eu ainda não tenho base para avaliar se a minha memória espacial melhorou. Acho que vou descobrir na próxima vez em que tentar encontrar o caminho para algum lugar desconhecido. Independente disso, me sinto bem exercitando o cérebro, principalmente de formas que não faço no dia-a-dia.

Assim como as causas do Alzheimer ainda são desconhecidas, não há nenhuma prova de que exercitar o cérebro afaste ou atrase o aparecimento dessa doença. Eu apenas usei a referência do filme como motivação para experimentar os jogos. Mal não deve fazer.

Se você já utiliza ou utilizou algum desses aplicativos, seu comentário será bem-vindo.

P.S.: Eu já tinha a ideia de escrever esse artigo desde a semana passada mas ficava enrolando. Meu treinamento de foco ainda precisa melhorar bastante! Mas a coluna da Cora Ronai de hoje me inspirou a terminar. Me mostrou que sempre há espaço para um treinamento cognitivo básico e além disso está engraçadíssima! Os comentários também!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 119 outros seguidores